Recadastramento no Ministério do Interior vai acabar com os falsos funcionários

Ferramentas

O ministro do Interior, Ângelo Veiga, afirmou que o processo de recadastramento dos funcionários do Ministério do Interior, vai permitir a identificação e gestão correcta dos efectivos, quer no processo de remuneração e nomeação justa, recorrendo a pessoas com melhor capacidade, quer na promoção meritória e tempestiva.

O responsável referiu de igual modo "que melhorar o controlo dos efectivos, despesas e capacidade de planeamento e gestão dos recursos humanos", são outros factores a alcançar. Preocupado com a existência de funcionários "fantasmas", Ângelo da Veiga, salientou a necessidade de actualização documental sem excepção. “Também poderemos actualizar os nossos documentos de identificação para maior segurança”, disse,  acrescentado que essa tarefa é de "absoluta prioridade".

De acordo com o ministro, as irregularidades acompanhadas de dolo serão sancionadas disciplinar e criminalmente. “É importante que sejam apurados todos os técnicos, quer do Ministério do Interior, quer do Ministério das finanças, que vão executá-la e, qualquer irregularidade que seja detectada, de forma dolosa, que seja dado o tratamento disciplinar e criminal devido”, advertiu.

O processo que teve início na última terça-feira, dia 21, está a ser executada por uma comissão de trabalho, liderada pela Inspecção Geral do Ministério do Interior, encarregada de efectuar o registo e o controlo físico de todo o efectivo. Nesta fase, o controlo é presencial, reconfirmando a existência do efectivo, com nome na folha de salário e no Sistema Integrado de Gestão Financeira do Estado.