Salu Gonçalves, o humorista que conquistou a rádio e televisão angolanas

Ferramentas

O jornalista radiofónico Salu Gonçalves, um dos nomes mais notáveis a nível da comunicação social em Angola, pouco antes da sua incursão ao mundo do jornalismo, teve um pequeno percurso marcado em palcos como humorista, revelou ao ONgoma.

“Há sensivelmente 34 anos, pertenci a um grupo humorístico que se chamava ‘Turma Cómica dos Segredos’, que actuava em pequenos palcos, como em ginásios de escola, e o primeiro a ter aparições na Televisão Pública de Angola, na era pós-independência. Tivemos uma rubrica no programa do jornalista William Tonet, ‘Hora Jovem’, que era quinzenal, e posteriormente fomos convidados pelo radialista Evaristo José para fazermos uma secção de humor na então ‘Rádio Cidade’, que se transformou depois na Rádio Luanda, e daí o convite por parte do mesmo para que eu apresentasse uma rubrica humorística no programa ‘Luandando’, que se realizava aos Domingos”, revelou.

De acordo com o radialista, foi desse último programa que herdou o domingo para então começar a fazer o Kialumingo, há 24 anos. “Dizer que daí começa a minha carreira de 34 anos de Rádio e Televisão. Na rádio, na rubrica ‘1,2,3 – Largar O Disco’, eu mudava as músicas como um disco jóquei, muito pela experiência de já ter tocado em festas. Então, um pouco mais tarde, tive o privilégio de ser o primeiro apresentador televisivo de rubricas de videoclips”, relatou, na sequência da realização do primeiro espectáculo do Goz’Aqui, que decorreu no Camões - Centro Cultural Português, onde foi o convidado especial.

À dada altura, disse o radialista, devido a audiência que o seu programa de rádio já havia conquistado na capital, surge um convite por parte do Conselho de Administração da Rádio Nacional de Angola para viajar para o Cuanza Sul. “Eles precisavam de sangue novo e eu aceitei o desafio. Foi uma experiência muito boa, maravilhosa, com certeza, e embora eu tenha sido o director da Rádio Cuanza Sul por pouco mais de dois anos, foi uma das maiores experiências da minha vida enquanto pessoa ligada à comunicação social, porque pude vivenciar coisas incríveis da vida da população angolana”, declarou, mas acrescentou que se tivesse que voltar para o Sumbe, negaria a proposta, “porque de certa forma acaba-se por estar mais tempo a trabalhar do que com a família”.

“Os primeiros filhos vieram muito cedo, eu fui pai aos 18 anos de idade, hoje tenho 51, agora pai de 8 filhos, o meu primeiro filho completará 33 este ano, tenho uma neta que completará 10 anos de idade, tenho uma relação de amizade com os meus filhos e espero que continue assim. Mas numa altura em que eu quase não ganhava na Rádio Nacional de Angola, tive de criar os meus filhos com a ajuda dos meus pais, aliás, foram praticamente criados por eles. Eu vivia com os meus pais e os meus filhos comigo, porém foi uma jornada da minha vida que recordo com enorme orgulho, porque nunca abandonei um filho sequer, nunca deixei faltar água a um filho”, manifestou.

Finalmente, Salu Gonçalves afirmou que outro grande motivo para o seu orgulho é a enorme repercussão que o seu programa tem tido. “O Kialumingo não só faz, como é em si um furor a nível de audiências, porque não se trata apenas de um programa de rádio, mas do programa das rádios nas manhãs de domingo”, concluiu.