Companhia francesa de teatro participa no festival internacional para jovens e crianças em Angola

Ferramentas

No âmbito do FESTIJ 2016 – Festival Internacional de Teatro para a Juventude e a Infância, a Alliance Française de Luanda convida o grupo francês "Compagnie à Tiroirs" para a primeira edição do evento, decorre até ao dia 25 de Setembro deste ano, sob a coordenação do Anim’ART - Centro de Animação do Cazenga, contando ainda com o apoio do Goethe Institut.

De acordo com um comunicado enviado ao ONgoma, o objectivo do festival é de a sociedade despertar o olhar das crianças. A ocasião é de dar a cada um a oportunidade de poder levar uma criança para o teatro, proporcionando-lhe momentos de amizade, amor e paixão pela arte.

Ainda segundo a nota, o teatro para o público infanto-juvenil constitui uma actividade de elevado teor educativo, lúdico e recreativo porque proporciona aos pequenos a oportunidade de viver momentos fantásticos, mágicos e de grandes emoções.

A programação inclui duas oficinas organizadas para 15 amadores de teatro, ligados ao Centro de Animação Artística do Cazenga, no dia 16 deste mês, das 9h00 as 12h00, no Centro Cultural Brasil Angola. No Domingo, dia 18, terá lugar a oficina de teatro, no mesmo horário, no Anim’ART (Cazenga), sendo que no dia anterior,  no sábado, realizar-se-á um espectáculo gratuito, aberto ao público, pelas 15h00, no Anfiteatro do ISARTES (Kilamba).

O espectáculo "Ce N’est Pas Commode", “Isso não é Cómodo” traduzido para português,  a ser exibido pela "Compagnie À Tiroirs",  foi criado e é interpretado por Olivier Bovet, com a orientação artística de Michel Dallaire. Neste espectáculo, universos efêmeros se sucedem, uns após os outros e subitamente e o que era infinitamente pequeno torna-se grande. O público vibra com as proezas inusitadas que este homem-cômoda, meio clown, meio mágico, é capaz de transformar as suas caixas gavetas em cenários lúdicos, onde surgem as mais improváveis histórias.

Olivier Bovet trabalha no palco e na rua há mais de vinte anos e desenvolveu uma arte de improvisação, com uso de mobiliário urbano. Com o seu palhaço solitário, cria encenações com objectos que provocam situações catastróficas, insólitas e divertidas.